sexta-feira, 14 de novembro de 2008

MAGISTÉRIO GAÚCHO - Bons tempos aqueles em que levar bomba era apenas repetir de ano na escola

A professora Marli Helena Kümpel da Silva não esquecerá do último dia 16 de outubro, quando foi atingida por um artefato de "efeito moral" que lhe estraçalhou as pernas, nas imediações do Palácio Piratini, sede do governo estadual gaúcho. Como integrante da diretoria do CPERS, o sindicato dos professores, Marli viera da cidade de Erechim, interior do Estado, para juntar-se aos seus milhares de colegas, em manifestação pacífica, e reinvidicar coisas como: reajuste salarial, defesa dos planos de carreira e implantação do Piso Nacional para o magistério. A tropa de choque da governadora tucana Yeda Crusius, no entanto, deu-lhe uma lição, partindo-lhe os ossos. É esse o "novo jeito de governar" que a imprensa local - capitaneada pelos veículos da RBS - exalta e protege, por meio de sua matilha de colunistas sabujos e comentaristas louvaminheiros. Logo mais, às 13:30h, no ginásio Gigantinho, os professores estarão novamente reunidos, desta vez em Assembléia, discutindo a ridícula e traiçoeira proposta de Yeda Crusius enviada ao Legislativo. Estaremos lá, no meio desses perigosos elementos que insistem em querer um salário-base de R$ 950. Tomara que, desta vez, ninguém tome pau.

3 comentários:

cooperativa de defesa e promoção disse...

tratam assim os professores. imaginem como tratam os estudantes!!!!

Cloaca News disse...

Ficamos imaginando como será na Toscoña... Aí tem disso?

helioborba disse...

A imprensa esconde tudo.Eles querem eleger Serra e fazer propaganda todos os dias dizendo que tudo vai bem , vai bem para eles.
APOSENTADO INVOCADO