sábado, 3 de janeiro de 2009

GILBERTO DIMENSTEIN, O BABÃO

Como você já deve estar cansadíssimo de saber, Gibinha cursou jornalismo na Fundação Gilberto Dimenstein, criada por ele mesmo, em homenagem a ele mesmo. Teve aulas com ele mesmo e, muitas vezes, discutiu com ele mesmo, sendo mandado para fora da sala, diversas vezes, por ele mesmo. Hoje, Gibinha é membro do Conselho Editorial da Folha de S.Paulo, onde, segundo a Desciclopédia, escreve " textos com opiniões “abalizadíssimas” sobre assuntos “interessantíssimos” do cenário nacional e internacional. Escreveu também diversos livros com opiniões “abalizadíssimas” sobre assuntos “interessantíssimos” do cenário nacional e internacional". Pois Gibinha, por estes dias, anda que é pura faceirice, a julgar pelo título de sua coluna semanal irradiada pela Folha Online:
"Parabéns, Serra"
Nos seis parágrafos do opúsculo, o que encontramos é uma verdadeira Ode ao Vampiro, em que Dimenstein manifesta seu enorme júbilo diante da decisão do governador tucano de criar um "bônus" para os professores cujos alunos tenham "melhor desempenho". Segundo o jornalista-babão, "esse bônus terá um impacto nacional e até na América Latina", apenas "pela importância da rede paulista". Esqueceu- se o nerd da Barão de Limeira que os tucanos ocupam o Palácio dos Bandeirantes há mais de uma década, e que, nesse período, a qualidade da educação pública paulista despencou a níveis abissais, carregando junto a remuneração do magistério. Dimenstein, em seu delírio laudatório, não se deu o trabalho de trazer ao conhecimento de seus leitores as opiniões da gigantesca corrente contrária a essa medida. Preferiu reduzi-las a "ira sindical e mesmo a incompreensão de parte dos acadêmicos". Ou seja: esses sindicalistas raivosos da CUT e esses acadêmicos estúpidos que votam no PT. A própósito, vem daí o interessantíssimo título da coluna babona - "Parabéns, Serra, por sancionar " a medida mais ousada de sua gestão" e enfrentar essa ralé "poncho-e conga", vanguarda do atraso". Clique aqui e veja com seu próprios olhos que, como baba-ovo, Gilberto Dimenstein não tem nada de aprendiz.

11 comentários:

Paulo Cavalcanti disse...

TEXTO, enviado por e-mail comentando o artigo escrito hoje (domingo) 04/01 - na Folha de S. Paulo, pelo "babão" Gibinha

Prezado jornalista Gilberto Dimenstein,

Eu acho que o Sr, vive em marte, ou esteve em coma nos últimos 4 anos. Me parece, que foi o Sr, o protagonista do "termo de responsabilidade" do Sr. José Serra, dizendo que permaneceria no cargo de prefeito até o final do mandato, no entanto....tivemos que engolir Kassab (sem ter recebido), um único voto do eleitor. Não satisfeito, o Sr. repetiu a dose com Alckmin, que felizmente foi derrotado. Será que o Sr. acha que nós leitores somos autistas? Que estamos alheios ao mundo? Ou em coma?

O Sr. está mais para assessor de imprensa do PSDB, que para jornalista da Folha de S. Paulo (órgão oficial tucano), com suas materias dirigidas, como a deste domingo 04/01/2009 - referente à cracolândia.

O Sr. não fez uma citação sequer sobre essa incompetência administrativa do prefeito "boneco do Serra"

Leia abaixo, o que publicou o JT, em agosto/2008 - acreditar que Kassab fará alguma coisa na cracolândia, é acreditar em papai noel.

Em agosto/2008, o JT (Jornal da Tarde) - do Grupo Estado, publicou matéria de capa, dando conta que a Prefeitura de São Paulo, (leia-se Kassab), perdeu os prazos de uso de uma verba para "revitalização do centro velho de S. Paulo" - por pura incompetência e negligência.

Trata-se de uma verba do BID - Banco Interamericano de Desenvolvimento, no valor de US$ 167,4 milhões, a serem pagos no prazo de 25 anos. Esse contrato foi assinado há cinco anos atrás, no final da gestão Marta Suplicy.

Desse total foram gastos, desde meados de 2004 até hoje, apenas 22% ou seja US$ 36,7 milhões. O editorial de hoje (06/08) do mesmo JT, aborda o assunto tratando com benevolência e parcimônia um êrro gravíssimo da administração municipal, chegando a ponto de sugerir um "engano" - quando admite que a falha na implantação do projeto, foi ter fatiado o programa dem 176 ações distritais distribuídas por 13 subprefeituras.

O editorial em certo trecho diz: "O diretor de Desenlvimento e Intervenções Urbanas da Empresa de Municipal de Urbanização (EMURB), Rubens Chammas, reconhece que esse fatiamento das ações complicou de fato as coisas. A tal ponto que algumas vezes tivemos que lembrar aos técnicos que eles tinham esses recursos disponíveis"

Veja que trata-se claramente de um caso inusitado de "incompetência para gastar" - uma vez que por não ter usado parte do dinheiro que lhe foi enviado, a Prefeitura (leia-se nós contribuintes), tivemos que pagar ao BID, a título de "comisssão de crédito", R$ 460 mil, o que na prática é uma multa.

Leia nesse trecho do editorial a justificativa do descalabro: "Mas isso não é o mais grave, até porque o dinheiro recebido do BID nesse período rendeu R$ 400 mil em aplicações financeiras, ou seja, o prejuízo foi relativamente pequeno".

O Prefeito Kassab e seus técnicos, são pagos pelos contribuintes para gerenciar a cidade de São Paulo, ou para fazer especulação financeira com dinheiro público?

Um caso desses numa administração petista, já teria ido parar no Ministério Público, o prefeito processado por improbidade administrativa, e primeira página de jornais todos os dias, capa da Revista Veja. Não lí uma linha sequer, do "fervoroso" defensor da revitalização do centro velho de São Paulo, jornalista e Serrista Gilberto Dimenstein, ou seja, é conivente com essa incompetência e disperdicio de dinheiro público.

Fica uma pergunta sempre: Ou essa direita é muito competente para cobrar até de quem não se deve, ou essa esquerda está anestesiada e não enxerga aquilo que acontece debaixo dos olhos, pois isso tem saido largamente na imprensa, e ninguém dá uma declaração de protesto.

Participação Política PSB disse...

Este rapaz, Gilberto Dimenstein, não é jornalista, e sim cabo eleitoral do PSDB.

Anônimo disse...

O G.D. não tem a mínima credibilidade para analisa a educação paulista.
"É melhor condenar que teimar, principalmente quando se tem razão" já dizia Nietzche:curto e grosso.

Anônimo disse...

Em Gaza crianças morrem na estupidez da guerra. No Brasil, São Paulo o futuro das nossas crianças é assassinado por imbecis que nada sabem sobre educar. E viva Paulo Freire! Marcia Costa

BeBeL disse...

Vê-se que o jornalista Gilberto Dimenstein nada entende de educação e por fim é desinformado.

Esse programa de dar "bônus" aos professores segundo o desempenho de seus alunos já EXISTIU no Rio de Janeiro e não deu certo.

Agora ele vem dizendo que o Serra descobriu a varinha mágica da Educação...

Esse senhor é patético.

BeBel

googler disse...

womens handbag
womens handbag
fashion handbags
fashion handbag
handbags uk

La Pasionaria Ibarrure disse...

Perfeita a anásile. Esse tucaninho de asas doiradas e purpurinadas, nunca saiu dos jardins e da Vila Madalena e mete-se a analisar o que é cultura, educação e o que é melhor para o povo.
Espertalhão, oportunista, se auto-promove na FAlha de São Paul e na CBN, para ser chamado a dar palestras sobre educação, como se fosse especialista no assunto. É especialista em proxenetagem e babaovice do patrão e do PSDB.
já disse tudo e mais um pouco no blog.brasilmobilizado.blogspot.com

La Pasionaria Ibarrure disse...

PS. peço liceça para reproduzir este texto no blog
brasilmobilizado.blogspot.com

Anônimo disse...

Se der um chute no saco do tucano José Serra, com certeza vai acertar na cabeça do Gilberto Dimenstein. Baba ovo para esse picareta é elogio.

taiane disse...

A Corrupção no jornalismo não é coisa da faze artesanal, dos meios impressos, coisa nenhuma, hoje ele é corrente, a umas décadas atrás, era chamado de sobrescrito, e se processava de maneira velada, sub-sub-repticiamente, mais hoje o que este canalha deste Gilberto Besta Instai. pratica. É ignóbil

Democrata e anti-comunista disse...

Porque a dor de cotovelos? Porque vocês não têm a capacidade dele? Jornalismo de esgoto sai da cabeça de vocês cães de guarda do Lula e a corja de pilantras que estão no poder atualmente.