quarta-feira, 19 de novembro de 2008

A FOTO MOSTRA UMA COISA. E A COLUNISTA DE ZERO HORA DIZ OUTRA.

Este blog não é de muitos rodeios. Não espere encontrar aqui ensaios epistemológicos e textos "cabeça" sobre o que quer que seja. Nossa missão é outra, como se pode ler logo à direita de quem entra. Aliás, nosso nome não é CLOACA DIPLOMATIQUE. Somos simples, talvez até intelectualmente simplórios. Mas não somos idiotas. Por isso mesmo, ao nos depararmos com a imagem acima, homiziada na coluna eletrônica de Rosane de Oliveira, a colunista-abelha do tablóide Zero Hora, estacamo-nos em meio a um surto misto de perplexidade e indignação. O título da nota assinada pela "depuradora de melífluos sabores" (leia postagem do dia 15/11) é: "De professora para professora". Assim escreveu a vespinha: "Incomodada com os protestos de um grupo de professores grevistas e integrantes do Cpers diante do Piratini nesta quarta-feira de manhã, Yeda Crusius não hesitou em pedir silêncio aos manifestantes, com o dedo à frente dos lábios. Yeda participava de um ato em homenagem ao Dia da Bandeira, com a banda da Brigada Militar executando os hinos Nacional, da Bandeira e do Rio Grande do Sul, diante do palácio. Segundo a governadora, ela pediu silêncio porque os manifestantes estavam vaiando durante a execução dos hinos. A presidente do Cpers, Rejane de Oliveira, tem outra versão. Ela diz que os professores entoavam palavras de ordem, mas apenas enquanto a banda não tocava".
Observe a foto, cara leitora, caro leitor. Repare que há um camarada de terno azul amarrando uma das bandeiras a serem hasteadas. Significa que ainda não se iniciara a execução dos hinos, concorda? Observe os cavalheiros risonhos e descontraídos que circundam a governadora tucana. Convenhamos que postura deles não é a que se imagina de alguém em "posição de sentido", adequada a uma situação tão solene. Obviamente, a cena flagrada pelo fotógrafo Fernando Gomes antecede a parte musical, digamos, da cerimônia. Mas a jornalista adestrada e servil preferiu apresentar a "versão" de Yeda Crusius, a de que os manifestantes - mulheres e homens, a maioria professores - vaiaram "durante a execução dos hinos". Esta é a Editora de Política do tablóide da RBS e a "analista política mais importante do Rio Grande do Sul".

5 comentários:

Anônimo disse...

Ah, caro blogueiro! Se houvesse pessoas com mais dignidade, perspicácia e menos subserviência, você não estaria tão bem na fita com suas denúncias, não é? Parabéns ao trabalho apresentado! Continue!
Branca SP.

Cloaca News disse...

Cara Branca: se nossa imprensa corporativa fosse apenas honesta, já estaria de bom tamanho. E, nesse caso, talvez nosso blog tratasse de outros assuntos, menos cabeludos...

trombeta disse...

Tio Gegê deve estar se virando no caixão, depois de apear a corja bandeirante do poder, vê seu povo bater continência para uma paulista arrogante.

Anônimo disse...

Quero contar que após a execução dos Hinos Oficiais, a Banda da BM acompanhou os Professores manifestantes no Hino do Cpers por algumas vezes!!! Obrigado pelo apoio, pois a verdade não chega à todos!!! Somos massa de manobra, fantoches na mão da mídia e governantes!!!

Isabel disse...

Passou da hora do povo sugerir a essa infeliz ( Trombeta, tenha piedade, nós paulistas sofremos a mais tempo na mão do PSDB )que coloque esse dedo noutro lugar. Vim de SP pra cá,e o pesadelo me persegue...ô loco...ninguem merece.